• AtendeWeb Pessoa Física
  • AtendeWeb Pessoa Jurídica
  • Intranet

Novos Rumos da Engenharia no País é tema do 2º Congresso das Instituições de Ensino

Enviado por: Almir Moura
em: 31/05/2017

Evento realizado no Crea-Minas debate o perfil de formação do engenheiro e atribuições profissionais em época de indústria 4.0

​​​​​​​​2CIE-dtq (2).jpg


Abertura

 

Durante os dias 29 e 30 de maio de 2017, o Crea-Minas sediou o 2º Congresso de Instituições de Ensino, organizado pelo Colégio de Instituições de Ensino (CIE-MG), em Belo Horizonte. Este ano, o Congresso que teve como tema central  "Engenheiro para a indústria 4.0: formação e exercício profissional", debate sobre o ensino, a formação do profissional e o mercado de trabalho da engenharia e da área tecnológica. Na abertura do evento, compuseram a mesa o diretor de Relações Institucionais do Crea-Minas, engenheiro civil Luiz Gonzaga Chaves Campos; o coordenador do Colégio Estadual de Instituições de Ensino (CIE-MG), engenheiro de produção Joaquim José da Cunha Júnior;  o coordenador estadual adjunto do CIE-MG, engenheiro civil Luiz Fernando Resende dos Santos Anjo; o coordenador do Colégio Estadual de Empresas (CEM-MG), engenheiro mecânico Delmer Cesário; o superintendente de Inovação Tecnológica da  Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectes), Roberto Maia Rosenbaum; o diretor acadêmico da Associação Brasileira de Educação em Engenharia (Abenge), engenheiro civil Luís Edmundo Campos; a conselheira federal adjunta, engenheira civil Enid Brandão Carneiro Drumond e a presidente do Crea-Minas Júnior, graduanda em engenharia da mobilidade Maria Izabella Silva.

 

Debates

 A programação foi aberta com uma mesa redonda sobre o perfil do egresso das engenharias e indústria 4.0. A mesa foi mediada pelo coordenador do CIE-MG Joaquim José da Cunha Júnior. Na oportunidade ele afirmou que nos últimos anos, a indústria mudou muito, mas a educação não acompanhou o ritmo das mudanças. "Com o novo cenário, os futuros engenheiros precisam saber trabalhar em equipe e desenvolver as habilidades socioemocionais", destacou.

Já durante o debate, Delmer Cesário destacou que uma das principais habilidades que os novos profissionais devem apresentar é a proatividade. "Os profissionais devem ser versáteis, transnacionais, ter o domínio de idiomas. O problema do aluno não está no tecnicismo, mas sim na postura e capacidade de iniciativas", explicou. As iniciativas empreendedoras de algumas instituições de ensino do país foram mostradas pelo diretor do Instituto de Inovação, engenheiro metalurgista e de materiais Paulo Renato Macedo Cabral. "Precisamos de engenheiros de concepção e não só operacionais. Muitas vezes não avançamos mais por causa da falta de qualificação profissional e não por fatores tecnológicos", ressaltou. As estruturas curriculares das instituições de ensino foram abordadas pelo coordenador da aceleradora de startups Fiemg Lab, Fábio Veras. "Hoje, as grades curriculares são insuficientes para atender as demandas do mercado. Precisamos de uma revolução na educação. O mundo dos negócios está revisitando as necessidades do mercado de trabalho", disse.  

Os trabalhos prosseguiram com sessões técnicas onde foram discutidos diversos temas relacionados à formação dos profissionais da área tecnológica, empreendedorismo e inovação, dentre outros. O diretor de Inovação do Grupo Ânima Educação Gustavo Hoffmann discutiu  novos métodos de aprendizagem nas universidades. "As aulas expositivas no modelo tradicional tendem a não prevalecer nos próximos anos. As metodologias ativas vieram para colocar o aluno como protagonista, deixando o professor não como o sábio, mas sim como moderador no processo", afirmou. 

Para a professora de Engenharia de Mobilidade da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), engenheira civil Janaína Antonino Pinto, empreendedor significa muito mais do que ter competências para abrir uma empresa. "Significa trabalhar com inovação e habilidades na concepção, desenvolvimento e implantação de projetos", afirmou.

 

Projetos do CIE-MG

No segundo dia do Congresso, os participantes explicaram a importância dos projetos do CIE-MG: Selo de Qualidade, Feicintec, Vértice Técnica, Congresso das Instituições de Ensino (IEs). O professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), engenheiro mecânico Renan Billa, enfatizou que entre os conselhos de regulamentação profissionais apenas o Crea-Minas possui o selo. "O Selo de Qualidade é um importante instrumento que o Crea-Minas usa na avaliação da qualidade da formação oferecida pelas instituições de ensino e é modelo para outros Creas", afirmou. 

De acordo com coordenador do grupo de trabalho da Feicintec, engenheiro agrônomo Robson Thuler, a edição deste ano feira tecnológica vai apresentar novidades. "Estamos planejando premiar cinco trabalhos com os mesmos valores. Daremos menção honrosa a dois trabalhos de relevância e impacto social e outros dois voltados para a sustentabilidade", comentou.

Na oportunidade, o editor-técnico da revista Vértice Técnica, engenheiro civil Antônio Carlos Moreira da Costa, divulgou o planejamento e as ações que estão sendo trabalhadas. "Estamos desenvolvendo um ciclo em que o pesquisador possa publicar na Vértice Técnica, apresentar seu protótipo na Feicintec e comercializar junto ao Colégio Estadual de Empresas", finalizou.    

Outro assunto debatido foi atribuições profissionais, com destaque para a Resolução 1.073.  Segundo o coordenador da Comissão de Educação e Atribuição Profissional (Ceap) do Confea, engenheiro civil Osmar Barros Júnior, é partir da tabela de títulos definidos na Resolução 473 que os profissionais registrados podem pedir extensão de atribuição inicial com base na 1.073. "Está ocorrendo uma profunda revisão na 473 o que implica inativação de alguns títulos, criação de outros, convergências e adoção integral de títulos constantes do catálogo nacional de cursos técnicos de ensino médio e de graduação tecnológica. A expectativa é que este trabalho seja concluído até o final deste ano", finalizou.

 

Sessões técnicas

As sessões técnicas abordaram os seguintes temas e tiveram as participações:


"Metodologias ativas para o ensino das engenharias (cases de sucesso nas IEs)"

- Rodrigo Almeida Soares, CIE

- Adriana de Oliveira Leite Coelho, CIE/Univale

- Vico Mendes Pereira Lima, CIE/IFNMG

- Gustavo Hoffmann Leão Coelho, Ânima Educação

- Cristiane Mendes, Univale

- Damione Damito Sanches, IFSP

 

"Empreendedorismo e Inovação na formação do engenheiro"

- Adriana de Oliveira Leite Coelho, CIE/Univale

- Janaína Antonino Pinto, CIE/Unifei

- Fábio Fowler, Unifei

- Rossana Cristina Ribeiro Morais, Univale

- Paulo Mendonça, Wylinka

- André Luiz Novelino Barbosa, Fejemg

 

"Novos espaços para o ensino de engenharia – Maker Space (Impressora 3D, softwares de simulação, apresentação de trabalhos"  

- Rodrigo Almeida Soares, CIE/Una

- Alessandro Fernandes Moreira, CIE/UFMG

- Helder Alves de Almeida Júnior, Uni-BH

- Juliana Capanema, Ipoli-Una

- Vinícius Costa, Una


"O perfil de formação do engenheiro"

- Alessandro Fernandes Moreira, CIE/UFMG

- Janaína Antonino Pinto, CIE/Unifei

- José Flávio Gouvêia, Anglo American

- Alexandre Campolina, Nemak

- Débora Vilela, Nemak

- Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, UFMG

- Marcelo Vieira Corrêa, Unileste

 

"PBL (Project/Problem Based Learning): resultados práticos nos cursos de engenharia"

- Janaína Antonino Pinto, CIE/Unifei

- Joaquim José da Cunha Júnior, CIE/Uni-BH

- Lílian Barros Pereira Campos, Unifei

- Roger Junio Campos, Unifei

- Renata Santos, Unifei

 

"EAD na Engenharia"

- Alessandro Fernandes Moreira, CIE/UFMG

- Vico Mendes Pereira Lima, CIE/IFNMG

- Fabrício Ricardo Lazilha, Unicesumar

- Kátia Solange Coelho, Unicesumar

- Alexandre de Oliveira Lopes, Unis/Crea-Minas

​​ 

Confira as fotos do evento ​