Renata Regina e Tuani Guimarães

Tuany Guimarães, João Luiz Magalhães e Renata Regina

 Apoiamos a pauta prioritária da engenharia, da agronomia e das geociências porque defendemos a garantia de direitos para toda a população, incluindo todos os pontos elencados nesta Carta.

Renata Regina e Tuanyi Guimarães - candidatas e governadora e vice-governadora


Chapa candidata ao governo do Estado assina compromisso com Carta de proposta do Crea-MG 

A Carta aberta da engenharia, da agronomia e das geociências apresenta uma série de propostas e convida os candidatos às eleições de 2022 a firmarem compromisso com as principais pautas para o desenvolvimento de Minas Gerais e do Brasil. 

O documento reúne uma síntese da Agenda Legislativa Prioritária do Sistema Confea/Crea e Mútua e projetos que tramitam na esfera estadual e têm relação direta com a agenda. “O conhecimento gerado por estas ciências pode resolver problemas da nossa realidade e materializar a sociedade que sonhamos. O nosso desejo maior é contribuir para que o país e o estado se desenvolvam, melhorando a vida da população”, afirmou o presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Fernando Borges

A candidata a governadora Renata Regina e a vice na chapa Tuani Guimarães estiveram no Crea-MG, no dia 22 de setembro, e assinaram a Carta aberta da engenharia, da agronomia e das geociências. O documento foi apresentado pelo vice-presidente do Crea-MG, engenheiro civil João Luiz Magalhães que destacou o fato de o Crea-MG estar aberto para todos os candidatos que queiram colocar os seus projetos.

Na oportunidade, Renata ressaltou a importância de o Conselho abrir esse espaço para as candidaturas com informação sistematizada. “A gente valoriza o Crea-MG e o nosso programa dialoga um pouco com o que vocês trazem aqui. E no aspecto mais técnico precisamos contar com esse apoio”, afirmou a candidata ao governo. Também a vice, Tuani, vê consonância entre a pauta apresentada e o programa de governo. “Quando vocês apontam os oito pontos essenciais para a universalização do saneamento, a gente vê uma preocupação com o social. E a gente fala que é necessário a reformulação, inclusive, nos currículos das universidades para que os novos engenheiros tenham uma visão mais social”, enfatizou.

Voltar para a página inicial