Pesquisar...

Os inspetores do Crea-MG de Pedro Leopoldo reuniram-se com profissionais do município de Lagoa Santa e cidades vizinhas  ligados Associação de Engenheiros e Arquitetos de Lagoa Santa (Area). No encontro, que ocorreu no dia 12 de fevereiro de 2019,  os inspetores ouviram as pautas e solicitações dos profissionais da Area, com destaque para a importância da valorização profissional. “Estivemos em Lagoa Santa para  aproximar ainda mais o Crea-MG dos profissionais daquela cidade. Já temos um bom relacionamento com eles, e vamos trabalhar em conjunto com a Area para melhorar o trabalho do Conselho na região”, destaca o inspetor-chefe de Pedro Leopoldo, engenheiro civil Edilcio Fagundes.

A pauta da reunião também abordou a possibilidade de, em conjunto com a prefeitura de Lagoa Santa, designar um local permanente para que haja um fiscal do Crea sempre de prontidão para atender construções e projetos da região. Além disto, também foi discutida a realização de palestras sobre o Sistema Confea/Crea e Mútua para os profissionais das cidades próximas a Pedro Leopoldo e Lagoa Santa.

Asep em Ação

Após a reunião, os inspetores voltaram para a sede da Inspetoria de Pedro Leopoldo para participar de uma palestra que tratou do reaproveitamento de rejeitos de mineração, com o professor do Departamento de Engenharia de Minas da UFMG, engenheiro de minas Roberto Galéry. O evento, que faz parte do projeto Asep em Ação, foi uma continuação da visita técnica realizada pelo presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Borges, no dia 31 de janeiro de 2019.

A palestra reuniu cerca de 50 participantes, entre profissionais da área e estudantes, e apresentou o projeto de processamento e manejo de rejeitos de barragens que é desenvolvido pelo Centro de Produção Sustentável (CPS) da universidade. Roberto explicou o processo de produção de materiais que podem ser utilizados para construção civil, que consiste em levar os rejeitos para o forno, onde perdem água e se transformam num material denominado lama calcinada. Ele explicou que o pó resultante pode ser usado como pigmento e cimento, devido às propriedades ligantes, e também pode ser transformado em pisos drenantes e asfalto. “O que procuramos desenvolver são tecnologias que possibilitem uma mineração sustentável”, explicou Roberto.

O projeto Asep em Ação é viabilizado através do Chamamento Público de 2018 do Crea-MG, que seleciona projetos de entidades de classe registradas no Conselho que tenham como objetivo o aperfeiçoamento das profissões abrangidas pelo Sistema Confea/Crea. “É uma iniciativa muito importante do Conselho, pois investe em atividades que promovem a valorização profissional", finalizou Edilcio.