Pesquisar no site...

Leia o texto ou ouça na Rádio Crea-Minas

Os presidentes dos Conselhos Regionais de Engenharia de Goiás, Paraíba e Sergipe participaram, no dia 7 de fevereiro de 2019, da sessão ordinária do Plenário do Conselho, na sede do Crea-MG,em Belo Horizonte. Na oportunidade, as lideranças regionais manifestaram apoio aos mineiros e solidariedade às famílias dos profissionais que morreram após o rompimento da barragem da Mina do Feijão, ocorrido no 25 de janeiro, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Presidentes de associações de classe e sindicatos, como o Sinduscon, Sinaenco e Sindilurb, também participaram da sessão. O presidente do Crea-GO, engenheiro agrônomo Francisco Antônio Silva de Almeida, que também está à frente do Colégio de Presidentes do Sistema Confea/Crea, lamentou a perda de tantas vidas no maior acidente de trabalho do país. 

Francisco Almeida: Essa indignação nossa, que também é do presidente do Confea, não é aceitável. Porque nós somos provedores do desenvolvimento sustentável. Então, viemos todos aqui se solidarizar com vocês.

O presidente do Crea-PB, engenheiro civil Antônio Carlos de Aragão, também falou aos conselheiros no plenário.

Antônio Aragão: E lhe peço, presidente, que leve a todos os mineiros, a todos os profissionais que foram afetados de alguma forma por essa tragédia, o nosso abraço.

O presidente do Crea-SE, engenheiro agrônomo Arício Resende Silva, lembrou da autoridade técnica da engenharia e disse que decisões políticas, por vezes, limitam o trabalho dos profissionais mais qualificados, numa referência a pregões que selecionam projetos mais baratos.

Arício Silva: Engenharia é uma ciência exata. Tudo é possível para a engenharia, desde que seja pensada. E a política está limitando a atuação deste notório conhecimento técnico.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada no Estado de Minas Gerais, engenheiro civil Emir Cadar Filho, foi além e cobrou providências à valorização dos profissionais da área tecnológica. 

Emir Cadar: Tudo na vida tem o lado bom e ruim .O ruim já falamos aqui, e fizemos um minuto de silêncio. Talvez, tudo que dissemos agora possa ser ouvido. Nós alertamos sobre a desvalorização do profissional da engenharia. Estamos com o Crea-MG na luta contra a lei de licitações. Ela prevê até que não haveria mais a necessidade de comprovação de ART para comprovar a capacidade do profissional, de uma empresa. Fala até em outros meios, sem citá-los. Isso desvaloriza a nossa engenharia. 

O presidente do Confea, engenheiro civil Joel Krüger, também manifestou apoio às vítimas de Brumadinho e reforçou, em Minas, a necessidade de discutir alternativas e protocolos técnicos capazes de minimizar riscos sociais e ambientais, assim como as políticas de licenciamento ambiental e de segurança de barragens.

 

Confira as fotos