Pesquisar no site...

Cumprindo a agenda no interior, o presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Borges, esteve em Pedro Leopoldo, no dia 31 de janeiro de 2019. Na ocasião, o presidente Lucio participou de uma reunião na Inspetoria e na sequência realizou visita técnica ao laboratório da Escola de Engenharia da UFMG na cidade, onde se estuda geotecnologias sustentáveis e tem como foco o manejo de rejeitos provenientes das atividades de mineração.

A reunião contou com a presença de representantes de entidades e lideranças locais da engenharia, do inspetor-chefe Edilcio Fagundes, do inspetor-secretário Jarbas Soares, do inspetor-tesoureiro José Miranda, e do prefeito de Pedro Leopoldo, Cristiano Costa, além de outras autoridades da cidade. No encontro, Lucio reafirmou o compromisso do Conselho com o diálogo e a integração com todos os profissionais da área tecnológica, e apresentou para os presentes a proposta da criação do Grupo de Trabalho (GT) que irá acompanhar os desdobramentos do rompimento da barragem da Mina do Feijão, em Brumadinho. O GT, que será apresentado ao Plenário do Crea-MG no dia 7 de fevereiro de 2019, pretende ampliar as discussões e elaborar proposições sobre o aprimoramento da segurança na atividade de mineração.

O próximo compromisso do dia foi na Fazenda Modelo de Pedro Leopoldo, que abriga o Centro de Produção Sustentável (CPS) da UFMG. Dentre os vários projetos do CPS, está o processamento e manejo de rejeitos de barragens. No Centro, o professor do Departamento de Engenharia de Minas, engenheiro de minas Roberto Galéry, demonstrou para os presentes o processo de produção, que consiste em levar os rejeitos para o forno, onde perdem água e se transformam num material denominado “lama calcinada”. Ele explicou que o pó resultante pode ser usado como pigmento e cimento, devido às propriedades ligantes, e também pode ser transformado em pisos drenantes e asfalto. Depois, o grupo conheceu a casa de 46 metros quadrados que foi completamente construída com os materiais provenientes da mineração, com um custo 30% menor do que o padrão na construção civil. “O que procuramos desenvolver aqui são tecnologias que possibilitem uma mineração sustentável”, explicou Roberto.

O inspetor-chefe Edilcio Fagundes classificou o encontro como produtivo e educativo para os presentes. “Se tratarmos os rejeitos de minério dessa forma, diminuímos a dependência de barragens”, comentou Edilcio. Para esclarecer mais o assunto, uma palestra de Roberto Galéry foi confirmada na Inspetoria de Pedro Leopoldo, numa parceria do Crea-MG com a Associação dos Engenheiros de Pedro Leopoldo (Asep). A palestra será realizada dentro do projeto “Asep em Ação”, possibilitado através do Chamamento Público de 2018 do Conselho.