Pesquisar no site...

Faleceu no dia 09 de dezembro de 2018, o engenheiro civil Paulo Lopes Salomão. Nascido em Coronel Fabriciano, em 27 de agosto de 1963, Paulo Salomão formou-se em dezembro de 1989, pela Escola de Engenharia Kennedy. Era o segundo vice-presidente da Associação Brasileira de Engenheiros Civis - Minas Gerais (Abenc-MG) e presidente do Instituto dos Engenheiros do Brasil, seção Minas Gerais (IEB-MG). 

Foi conselheiro do Crea-Minas, coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil e integrou diversas comissões e GTs. Em 2008, integrou, como conselheiro, a Comissão Regional Eleitoral (CER-MG) e, de lá para cá, participou de todos os processos eleitorais do Sistema Confea/Crea em Minas Gerais. Era tão dedicado ao Sistema que, desde 2012, integrava o quadro de funcionários do Crea-Minas e, nesses seis anos, demonstrava a mesma competência, dedicação e profissionalismo que teve durante os períodos em que exerceu cargos honoríficos no Conselho.

O presidente do Crea-Minas, engenheiro Lucio Borges, lamentou a partida do amigo e colega de profissão. “Paulo estava conosco, no Crea, há muitos anos. Era parte da família Crea. Um homem de pulso firme, de altivez, de tomada de decisões rápidas e de um coração generoso. Ele nos deixa vários exemplos a serem seguidos”, afirmou Lucio.

“Um defensor das causas da engenharia” é a definição mais recorrente para Paulo Salomão. Nas redes sociais, diversos comentários a reforçam. E foi como o presidente do Confea, Joel Krüger, definiu Paulo Salomão.  Para Joel, Salomão teve atuação destacada como conselheiro e assessor do Crea-Minas. “Estive com ele em várias oportunidades na luta em prol da valorização de nossas profissões. Que Deus o receba em sua morada e conforte seus familiares e incontáveis amigos, que deixou por onde passou. Ficará a saudade e a certeza de que fez uma grande jornada”, complementou.

O presidente da Abenc-MG, engenheiro Romário Aurélio Pereira da Silva, lamentou profundamente a perda do colega e amigo Paulo Salomão. Romário disse que Paulo foi conselheiro pela Abenc-MG e sempre foi muito comprometido com as questões da engenharia e do Sistema Confea/Crea. “Um engenheiro extremamente atuante, muito guerreiro, trabalhador, dedicado as causas da engenharia civil”, enfatizou. Romário lembrou ainda que Salomão estava sempre disponível para cumprir tudo que lhe fosse pedido. Conhecido no Brasil todo, auxiliou as Abencs de vários estados. “Vai nos fazer muito falta, pelo seu compromisso com a engenharia e com o Sistema”, finalizou Romário. 

Para despedir-se daquele que era mais que um amigo, um irmão, o presidente da Abenc nacional, engenheiro civil Francisco Ladaga, veio a Belo Horizonte. “Vim representando profissionais de todo Brasil que reconhecem o trabalho do Paulo em prol da engenharia. Infelizmente o nosso grande amigo e irmão Paulo Salomão se foi para, com certeza, um mundo melhor. O vazio deixado por ele só será superado ao lembrarmos de sua força descomunal em favor da valorização profissional. Para nós da engenharia civil ficará sempre a imagem do profissional digno e respeitável, preocupado com sua profissão e com seus colegas”, lamentou Ladaga.

O engenheiro Clemenceau Chiabi, presidente do Ibape-MG, conta que conheceu Paulo como conselheiro da Câmara Especializada de Engenharia Civil do Crea-Minas, que logo em seguida viria a coordenar. “Paulo era muito dedicado às questões da engenharia e do Crea. Muito prestativo, conduzia os trabalhos da Câmara de forma firme. Com ele, nada ficava parado, pois era de um dinamismo ímpar. Como perito, sempre procurava os cursos do Ibape pra se manter atualizado, além de pedir para verificar seus trabalhos, garantindo fazer a melhor entrega”, afirmou Clemenceau.

Bastante emocionado, o presidente da Faea-MG, engenheiro civil Jean Marcus Ribeiro, despediu-se de Paulo Salomão. “Ele foi um exemplo de paixão pela engenharia e defesa da engenharia civil. Estudioso da legislação profissional, Paulo dominava o assunto e defendia as suas convicções com firmeza. Como conselheiro e por último assessor, atuava com lealdade, paixão e responsabilidade. Nos deu exemplo de luta e perseverança, um guerreiro. Entre o hospital e sua casa, assim que sentia alguma melhora vinha ao Crea-Minas nos ver. Uma grande perda”, declarou. Jean lembrou ainda que seus familiares contaram que a sua primeira paixão era o filho João Paulo, depois o Crea, e então a família.