Pesquisar...

A 1ª Reunião Ordinária do Colégio Estadual de Instituições de Ensino (CIE) ocorreu no dia 1º de outubro de 2018, na sede do Crea-Minas. A agenda reuniu os coordenadores regionais do CIE, representantes das Câmaras Especializadas, das Comissões de Educação e de Ética, e do Grupo de Trabalho (GT) Estrutura Curricular e suas Atribuições. Na oportunidade foram eleitos os coordenadores estaduais, efetivo e adjunto, do CIE.

O presidente do Crea-Minas, engenheiro civil Lucio Borges, abriu os trabalhos destacando a importância das instituições de ensino no Sistema e que, hoje, cerca de 35% do plenário é composto por representantes das escolas. “É fundamental que haja diálogo entre as Câmaras, Colégios e fiscalização, por isso esse encontro é tão positivo. Os coordenadores do Colégio de Instituições de Ensino terão oportunidade de ouvir nossos conselheiros sobre o trabalho das Câmaras e de como podem contribuir para que a fiscalização do Conselho seja mais eficiente”, destacou Lucio.

O conselheiro Bernardo Abraão, que coordena a Comissão de Educação e compõe o GT Estrutura Curricular e suas Atribuições, explicou o trabalho de elaboração de estruturas curriculares referenciais que vem sendo realizado. “Temos procurado as instituições de ensino e analisado caso a caso. Não queremos impor um estrutura curricular e, sim, indicar”, explicou Bernardo.

Para a coordenadora do Fórum dos Coordenadores das Câmaras Especializadas, geóloga Francisca Maria Ribeiro Printes, os diferentes currículos trazem dificuldades na concessão de atribuições, inclusive com sombreamentos. “Tenho defendido a aproximação das escolas com as Câmaras. É importante saber sobre atribuições, como elas são concedidas”, ressaltou.

O Código de Ética Profissional na formação foi defendida pelo coordenador da Comissão de Ética do Crea-Minas, geógrafo Leonardo Teixeira. Para ele, é importante que as instituições de ensino falem do Sistema Confea/Crea, da legislação profissional, de como são concedidas as atribuições. “Os estudantes precisam conhecer a Lei 5.194 que regulamentou as profissões da área tecnológica e outras”, disse Leonardo. 

O superintendente de Relações Institucionais, engenheiro civil Jean Marcus, falou que as escolas têm que entender que a fiscalização do Crea-Minas amplia o mercado de trabalho garantindo à sociedade que profissionais legalmente habilitados estejam a frente de obras e empreendimentos. Isso, por sua vez, aumenta o número de alunos nas instituições de ensino, é bom para as escolas. “É importante que o CIE nos ajude a mostrar o valor do Conselho em suas instituições”, enfatizou.

Eleição 

Ao final da reunião, houve eleição dos coordenadores estaduais, efetivo e adjunto. O pleito contou com seis candidatos, sendo o primeiro colocado, Rondinelly Geraldo Pereira (Univale), o efetivo, e o segundo, Antônio Carlos Moreira da Costa Junior (FIP/MOC), o adjunto. Rondinelly, que também é conselheiro, acredita que o diálogo é fundamental para que o CIE continue realizando um trabalho de destaque. Já Antônio Carlos vê o CIE como uma oportunidade de valorização das escolas. 

Confira as fotos