A retomada das operações da Samarco, prevista para este ano, foi o assunto tratado entre o diretor-presidente da mineradora, engenheiro metalurgista Rodrigo Vilela, e o presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Borges. A reunião ocorreu, no dia 13 de novembro de 2020, na sede do Conselho.

Segundo a Samarco, o retorno será de forma gradual, com 26% da capacidade produtiva da mineradora, inicialmente no Complexo de Germano, em Mariana, Minas Gerais, e em uma usina de pelotização no Complexo de Ubu, no Espírito Santo, que representam. A produção prevista é de aproximadamente 8 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. Com as  atividades paralisadas desde novembro de 2015, em função do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, a mineradora fará a retomada, segundo o diretor-presidente, após a implementação de um sistema de filtragem de rejeitos, com novas tecnologias. "Queremos contribuir para o futuro da mineração de forma mais segura e responsável. Este é o nosso compromisso", afirmou Rodrigo, que reforçou também a importância do diálogo e da parceria com o Crea-MG.

O plano de retomada das operações da mineradora já havia sido apresentando ao presidente do Crea-MG e aos conselheiros da Câmara de Geologia e Engenharia de Minas em 2018. Para Lucio Borges "a mineração é muito importante, pois a engenharia está muito presente nesta atividade, seja com a atuação dos engenheiros de minas, civis, ambientais, metalúrgicos, geólogos, dentre outros profissionais. Queremos contribuir e estamos de portas abertas”, finalizou.

A reunião também contou com a participação do vice-presidente do Crea-MG, engenheiro mecânico Edilio Veloso; do gerente do Departamento de Fiscalização, engenheiro agrônomo Humberto Falcão; do gerente-geral de Planejamento e Desenvolvimento do Negócio da Samarco, Juarez Lopes de Morais; e da analista de Relações Institucionais da mineradora Denise Peixoto.