“Assim como todos os demais serviços essenciais à população, a fiscalização do Crea-MG está se reinventando para assegurar a proteção da sociedade sem colocar em risco a saúde de seus agentes de fiscalização”, é o que afirma o gerente de Fiscalização, engenheiro eletricista Nicolau Neder. Como o Crea-MG está priorizando o trabalho remoto, as ações de fiscalização estão sendo realizadas dentro das possibilidades e atendendo a todos critérios de segurança. Os agentes públicos de fiscalização que integram o grupo de risco estão exercendo suas atividades em regime de home office, verificando a situação de empresas e contratos públicos de engenharia.

A orientação, inicialmente voltada para o grupo de risco da Covid-19, foi  ampliada seguindo as orientações das autoridades de saúde sobre a necessidade de isolamento social. A medida atinge mais de 60% dos empregados e o restante teve a jornada presencial reduzida a 5 horas, das 8h às 13h. O objetivo é reforçar o enfrentamento da crise gerada pelo avanço do vírus, protegendo a saúde dos empregados, colaboradores, profissionais e o público em geral. Segundo Simara Picoli, assistente administrativo na Inspetoria de Uberlândia, que está em trabalho remoto, “tenho atendido às solicitações dos profissionais, das empresas e de terceiros por e-mails, prestado orientações e conferido a documentação necessária para diversos serviços. Ainda tenho processado registros de pessoas jurídicas e restituições de taxas recebidos pela Regional Triângulo. A experiência tem sido bem produtiva”, destaca. 

O diretor de Recursos Humanos, engenheiro eletricista Gilmar Narciso, reconhece que, até então, o home-office era algo incomum no Conselho, mas se tornou uma necessidade. O desafio do Conselho foi adotar essa modalidade de trabalho sem comprometer a oferta de serviços e, na avaliação de Gilmar, a tecnologia tem sido uma aliada. “Devido aos inúmeros aplicativos de mensagens disponíveis, o modo como as pessoas se comunicam, compartilham informações e executam o seu trabalho é transformado e facilitado. E, numa crise mundial como estamos vivenciando com esta pandemia viral, nada melhor que ficar em casa”, ressalta.

Para que o trabalho remoto seja feito com a qualidade necessária, o gerente de Recursos Humanos, Lucas Tavares, encaminhou aos gestores uma série de orientações, dentre elas, criação de uma lista de tarefas diárias, estabelecendo ordem de prioridade e metas a serem cumpridas. E para possibilitar a transferência da rotina profissional para a casa, o Crea-MG fornece uma série de recursos aos seus empregados. Segundo o superintendente de Planejamento, Gestão e Tecnologia, engenheiro mecânico César Paiva, que compõe o Comitê de Gestão Contra a Covid, 175 pessoas estão com acesso remoto ao Crea-MG. "Nós abrimos diversas salas de videoconferências, onde ocorrem reuniões regulares, e implantamos o Siga-me, que direciona os telefonemas para o celular pessoal do funcionário”, detalha.