Pesquisar no site...

Com o objetivo de discutir os novos avanços nas áreas de Inteligência Artificial (IA) aplicada à big data analytics e o aprendizado de máquinas em problemas de engenharia foi realizado o Fórum Mineiro de Inteligência Artificial e Indústria 4.0. O evento, com transmissão ao vivo, foi promovido pelo Grupo de Trabalho de Inteligência Artificial e Indústria 4.0 do Crea-MG, no dia 27 de novembro de 2019, na sede do Conselho.

Além de tratar de temas como o uso da robótica, da internet e do aprendizado de máquinas, parte do evento foi focada na mineração, com apresentação de veículos autônomos e operações semiautônomas em barragens e minas. Dentre elas, operação por controle remoto de caminhões fora de estrada, e a otimização de processos a partir da implantação de redes móveis. O coordenador do Grupo de Barragens do Crea-MG, engenheiro de minas João Hilário, afirmou que a atividade mineradora tem sido uma das pioneiras na indústria 4.0. “Ainda na década de 70, em função do volume de dados gerado pela mineração, a computação nos chamou atenção e desenvolvemos alguns produtos e tivemos, nos anos 80, um Grupo de Trabalho no Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) que discutia a informática aplicada à mineração”, explicou João Hilário.

Para o diretor de Planejamento, Gestão e Tecnologia, engenheiro mecânico Francis José Saldanha Franco, esses eventos de grupos de trabalho mostram o empenho do Conselho e as discussões realizadas. Na oportunidade, o diretor falou ainda da implantação de uma solução que vai unificar os sistemas do Crea-MG, melhorando o atendimento e do aplicativo Crea-MG Mobile. “O Conselho que representa a tecnologia não poderia estar atrás da indústria na busca de melhorias”, destacou. Além disso, Francis falou da preocupação com a PEC 108/2019, em tramitação no Congresso, que se aprovada, terá como consequência a desregulamentação das profissões, em um momento que a indústria 4.0 exige cada vez mais qualificação.

 Inteligência Artificial

O período do evento dedicado à Inteligência Artificial mostrou como ela já está presente no dia a dia das pessoas sem que elas se deem conta disso. O coordenador do GT de Inteligência, engenheiro mecânico Alexandre Lopes, exemplificou a questão falando de como o processamento quântico é usado em navegadores que geram rotas em tempo real. “Hoje, eles nos indicam o melhor caminho, no entanto, num futuro próximo, irão nos dizer se devemos ou não sair de casa”, enfatizou Alexandre.

A chave de tudo isso está na análise de dados, ou big data analytics, que é capaz de processar um grande volume de informações existentes e fazer descobertas. “Em 2019, o laboratório de Berkeley predisse um material termoelétrico desconhecido a partir da análise de literatura científica. Ele só leu o que já existia e juntou”,  afirmou o palestrante Brenner Lopes.

Os dilemas sobre o uso da IA também foram discutidos. O professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Filipe Alves Neto Verri alertou para questões como o excesso do uso pode gerar erros. “O problema daIA não é a ciência, é o humano. Se você pode fazer algo, não significa que você deva fazer”, esclareceu Filipe.

Confira a integra do evento no Canal do YouTube.

As fotos estão disponíveis no Facebook do Crea-MG

Ouça na Rádio Crea-Minas