Pesquisar no site...

A Reativação da Infraestrutura de Transporte de Minas Gerais foi o tema debatido por especialistas e profissionais na sede do Conselho. O evento, realizado no dia 06 de novembro de 2019, foi promovido pela Comissão Permanente de Transporte e Trânsito do Crea-MG. 

O diretor Administrativo e Financeiro do Crea-MG, engenheiro civil Walmir de Almeida Januário, destacou a importância de se discutir no Conselho assuntos que contribuam para o desenvolvimento do estado e do país. “Nós, como profissionais temos a responsabilidade de debater e tratar de temas ligados à engenharia e infraestrutura, buscando as melhores soluções. Vejo com bons olhos a Comissão Permanente de Transporte e Trânsito desta casa estar desenvolvendo este trabalho”, destacou. 

Na oportunidade, o engenheiro mecânico Luiz Felipe Ferreira ministrou a palestra “Hidrovia da Bacia do Rio São Francisco”. Ele explicou que uma hidrovia normalmente é utilizada para transportes de materiais de baixo valor agregado e alto volume para longas distâncias. Mas apontou que essa condição ainda não ocorre no rio São Francisco, mesmo com seu grande potencial. “No caso do São Francisco, isso se viabilizaria com a gipsita – o gesso mineral – que tem as maiores jazidas do Brasil perto de Juazeiro e Petrolina e os maiores consumidores, no sudeste. Por outro lado, o polo avícola do nordeste consome um milhão e seiscentas mil toneladas por ano, só de milho. Então, teríamos produtos para ir e voltar e isso ajudaria outras regiões, como o noroeste mineiro”, ressaltou. 

Outro meio de investimentos para o desenvolvimento da economia do estado foi apresentado pelo economista Luiz Antônio Athayde Vasconcelos. Ele falou sobre o Master Plan Econômico para a Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Um arrojado plano de diversificação da economia do estado e os setores que deveriam ser contemplados, como biotecnologia, indústria aeronáutica, customização de TI, turismo de negócios. O plano foi desenvolvido por várias empresas internacionais que analisaram desde a viabilidade econômica até a matriz de escolhas dos projetos. E o primeiro deles, implantado, foi a expansão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves”, salientou.