Pesquisar no site...

Com a participação de mais de 100 pessoas, incluindo o prefeito municipal de Padre Carvalho e vice-presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) José Nilson Bispo de Sá, inspetores, conselheiros e membros dos Colégios do Crea-MG da região, representantes do Crea-MG Júnior e outras autoridades, o CEP Regional da Norte ocorreu nos dias 10 e 11 de junho de 2019.

Ele é um dos sete encontros a serem promovidos até o dia 15 de junho em todo estado. A abertura do evento, que precede o Congresso Estadual de Profissionais (CEP-MG),  e os grupos de trabalho para discussão das propostas ocorreram na Inspetoria de Montes Claros.

Na abertura do evento, o inspetor-chefe de Montes Claros, engenheiro agrônomo Luiz Aroldo Oliveira Almeida,  afirmou que o CEP-MG é um importante evento para as profissões das áreas da engenharia, da agronomia e das geociências. “Hoje, caminhamos para a reta final, promovendo o penúltimo encontro regional, uma etapa muito importante, pois vamos votar as propostas levantadas na fase anterior e definir os delegados que irão participar do Congresso Estadual”, explicou. 

O representante do Crea-MG Júnior, graduando em engenharia de minas Vitor Pereira Ferreira, acredita que o CEP é uma grande oportunidade para discutir a engenharia e que os estudantes tem participado ativamente. “É preciso que a engenharia se prepare para o futuro. Pois, um estudo da Universidade de Oxford afirma que 65% das profissões vão acabar em 20 anos, o Fórum Econômico Mundial diz que 50 % dos alunos que estão hoje no ensino médio vão trabalhar em empregos que ainda não existem”, explicou. Vitor afirma ainda que o Crea Júnior está comprometido em formar jovens líderes e que está cada vez mais próximo do Conselho, contribuindo com esse processo de repensar as profissões.

Convênios - Durante a solenidade de abertura do CEP Regional Norte, o Crea-MG assinou um protocolo de intenções com a Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) com o objetivo de estabelecer um convênio de mútua cooperação técnica com a finalidade de troca de informações e colaboração institucional, para um relacionamento mais eficiente entre as partes e superação de seus desafios, proporcionando à sociedade, segurança, bem-estar humano e social e equilíbrio ambiental.

 Palestras - Para ampliar o diálogo e proporcionar uma pluralidade de opiniões a serem consideradas na formulação de propostas, o evento contou com três palestras que abordaram inovações tecnológicas, meio ambiente e atuação profissional em seus respectivos sindicatos. Em comum, as palestras abordam questões necessárias para garantir o desenvolvimento econômico, que demanda a articulação do conhecimento técnico, relação ética com a sociedade e a boa e honesta prática profissional.  O mediador do debate foi o engenheiro civil Marcos Túlio de Melo, ex-presidente do Crea-MG.

A primeira palestra, Desenvolvimento Regional do Norte de Minas – Potencialidades e Desafios, foi ministrada pelo ex-secretário-executivo da Amams, Marcos Fábio Martins de Oliveira, do Fórum de Desenvolvimento do Norte de Minas. “O Norte de Minas é pobre, mas isso não significa que não tenhamos potencialidades. Precisamos melhorar a infraestrutura e ai a engenharia entra. Se melhorarmos a infraestrutura, nos colocaremos no centro geodésico da área mais desenvolvida do país. Com investimentos nas interligações entre Norte, Sul, Leste e Oeste, passamos a ser o centro do país  e as oportunidades para as prefeituras e para a população serão muitas.  O objetivo do desenvolvimento é o ser humano, é para isso que nós trabalhamos, que os engenheiros trabalham”, enfatizou. Para ele, tudo isso se deve a um objetivo maior, a qualidade de vida da população e isso não virá sem água, sem luz, sem estradas, sem infraestrutura, ou seja, sem engenharia.

Em seguida, o  secretário de Infraestrutura e Planejamento Urbano de Montes Claros e conselheiro do Crea-MG,  engenheiro civil Guilherme Augusto Guimarães Oliveira, apresentou a palestra O papel da engenharia no desenvolvimento regional: perspectivas e ameaças, organizada em conjunto com outros conselheiros da região. Ele apontou o problema de infraestrutura da região e da falta de água, como ameaças. “Não existe desenvolvimento sem transporte. Há 20 anos, poucas rodovias eram pavimentadas aqui na região e um dos nossos gargalos é esse. Precisamos pensar na logística para escoar a produção agrícola. Precisamos retomar a ideia do sistema ferroviário e também das hidrovias. Com essas ligações, todos os municípios da região podem se desenvolver”, destacou. No entanto, também elencou como perspectivas o potencial energético. “A Região Norte apresenta forte vocação para a sustentabilidade pelo imenso potencial para o desenvolvimento da indústria de energias renováveis. Gerando energia fotovoltaica, desligamos as hidrelétricas reduzindo a quantidade de gás do efeito estufa”, ressaltou. Para ele o CEP é uma oportunidade para discutir propostas também no âmbito local que promovam o desenvolvimento dos municípios.

Finalizando, o diretor do Sindipetro-MG,  engenheiro mecânico Alexandre Finamori, falou sobreDesenvolvimento Nacional por Meio de Novas Fontes de Energia. “Num país em desenvolvimento como o Brasil, a engenharia tem um desafio muito grande que é a sustentabilidade de fato”, enfatizou. A palestra destacou o programa do biodiesel como alternativa de agregar não só a necessidade energética mas como projeto de desenvolvimento das pequenas comunicadas. Alexandre deixa para a reflexão que as estratégias para o desenvolvimento podem ser includentes e atuar fortemente no bem-estar da sociedade.

Propostas e delegados - Os profissionais das inspetorias de Diamantina, Janaúba, Januária, Montes Claros, Paracatu, Pirapora, Salinas e Unaí participaram do CEP Regional Norte, e discutiram Estratégias da Engenharia e da Agronomia para o Desenvolvimento Nacional, tema do 10º Congresso Nacional de Profissionais (CNP). Das 59 propostas vindas das inspetorias, 38 foram aprovadas, além de uma moção. Também foram encaminhadas três novas propostas, formuladas nesta etapa, observando os cinco eixos temáticos: inovações tecnológicas, recursos naturais, infraestrutura, atuação profissional e atuação das empresas de engenharia. Seguem para o CEP-MG, 41 propostas e 14 delegados que representarão a Região Norte. 

10º CEP/CNP - O CEP/CNP é um fórum organizado pelo Confea, apoiado pelos Creas e pelas entidades nacionais, que tem por objetivo discutir e propor políticas, estratégias, diretrizes e programas de atuação, visando à participação dos profissionais das áreas abrangidas pelo Sistema Confea/Crea no desenvolvimento nacional, propiciando maior integração com a sociedade e entidades governamentais.

A série de eventos é realizada a cada três anos e conta com o apoio institucional da Mútua, responsável por parte do custeio das atividades e das delegações que vão participar das etapas regional, estadual e nacional.

Confira as fotos