Pesquisar no site...

Os tecnólogos em design de interiores graduados na Universidade de Uberaba (Uniube) já podem requerer seu registro profissional no Crea-MG. A conquista é resultado de um movimento que conquistou, inclusive, a regulamentação da profissão em 2016.

A notícia da autorização para o ingresso no Crea foi dada em reunião entre o Conselho e os designers realizada no Instituto de Engenharia e Arquitetura do Triângulo Mineiro (IEATM) durante a semana de atividades do Crea-MG, em Uberaba, em junho de 2019.

A autorização para o registro foi dada pela Comissão de Educação do Confea (Ceap) e homologada pela Câmara Especializada de Engenharia Civil do Crea-MG no dia 6 de junho. Inicialmente, os profissionais receberão o título de Tecnólogo em Edificações, com as atribuições de designer de interiores até que o novo título de Tecnólogo em Design de Interiores seja criado pelo Confea. A partir do registro, os novos profissionais já poderão emitir Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). O presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Borges, disse que está muito feliz em agregar ao Sistema uma nova categoria profissional e reafirmou seu apoio ao processo. “Como é uma situação nova, podemos realizar treinamento para preenchimento de ART, além estarmos à disposição para sanar qualquer dúvida”, enfatizou Lucio.

Para o registro profissional, é necessário que o curso esteja cadastrado no Crea-MG, por esse motivo, inicialmente, apenas os egressos da Uniube em Minas Gerais têm essa autorização. O Brasil tem 418 cursos de tecnólogos em design de interiores, sendo 32 em Minas Gerais. Segundo a coordenadora da Ceap do Crea-MG, engenheira civil Davina Braga,assim que o título for inserido na tabela do Confea, haverá uma comunicação com as demais instituições de ensino para que todos os designers de interiores possam fazer o registro no Conselho. “É uma forma de o Crea-MG valorizar os profissionais da área. Com a vinda deles para o Conselho, os designers ganham independência, podendo anotar ART sem depender de outros profissionais”, reforçou Davina

A designer Simone Cartafina Pagliaro explica que sempre foi um desejo da categoria ter o registro no Conselho. “Ter o Crea nos dá tranquilidade para mostrarmos o que estudamos, a nossa competência para desempenhar aquela função. Sempre tivemos oportunidade de trabalhar, mas agora seremos mais valorizados. Estamos no mercado pra mostrar o que sabemos. O registro é o reconhecimento do nosso trabalho, nos dá segurança e respeito”, afirmou.