Pesquisar no site...

Vídeo produzido pelo Tribunal Superior Eleitoral sobre o processo de votação nas urnas eletrônicas mostra passo a passo das etapas de computação dos votos. 

As etapas exemplificam o que ocorre desde o fim do período de votação até a divulgação do resultado. O objetivo é que todos conheçam melhor o seu funcionamento e não sejam enganados por mentiras e notícias falsas.

Confira o vídeo: https://youtu.be/n-hG9uYjTPE 

 

A Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas (Sobrade) organizou, com o apoio do Crea-Minas, um seminário que ocorreu entre os dia 10 e 12 de setembro de 2018. O evento, que contou com minicursos, palestras e visitas técnicas, abordou práticas de recuperação de áreas degradadas com ênfase no bioma Cerrado, que cobre cerca de 22% da extensão territorial nacional.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, o Cerrado ocupa uma área de 2.036.448 km², sendo o segundo maior bioma sul-americano e incidindo sobre 11 estados brasileiros. O bioma é considerado um hotspot mundial, uma área de grande biodiversidade, tendo em sua extensão territorial, as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul. Do ponto de vista da diversidade biológica, o Cerrado brasileiro é reconhecido como a savana mais rica do mundo, abrigando 11.627 espécies de plantas nativas e uma fauna de 2.566 espécies conhecidas.

Apesar de ter sua importância biológica reconhecida internacionalmente, o Cerrado possui apenas 8,21% de seu território legalmente protegido por unidades de conservação, sendo apenas 2,85% deste total, unidades de conservação e proteção integrais.  “Hoje [11 de setembro] é comemorado o Dia Nacional do Cerrado, considerado o bioma mais afetado e degradado do Brasil, seja por atividades de agricultura, pecuária, abertura de rodovias, grandes obras ou barragens, entre outros. O seminário vem para pautar a questão da recuperação das áreas submetidas a danos por estas atividades”, ressalta o engenheiro florestal Maurício Balensiefer, presidente da Sobrade.

Com carga horária de 12 horas, o evento atraiu engenheiros florestais, agrônomos e estudantes. Com palestras tratando de questões econômicas, históricas, socioculturais e de bioengenharia, apresentou iniciativas inovadoras e trabalhos voluntários na área de preservação e recuperação de áreas degradadas no Cerrado brasileiro.

Na oportunidade, foram enfatizadas a importância da preservação e de práticas que consideram questões ambientais durante a realização de projetos de engenharia e agronomia. “Nosso grande desafio é utilizar este Bioma de forma sustentável. Não podemos prescindir da produção agrícola nesta área, mas também não podemos abrir mão deste patrimônio ambiental.  Esta discussão caminha para buscarmos soluções para este problema", reforça o engenheiro agrônomo Amarildo Kalil, secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais.

Para o conselheiro da Câmara Especializada de Agronomia do Crea-Minas, engenheiro florestal João Paulo Sarmento, apoiar esse tipo de evento é uma forma de o Conselho inserir profissionais, principalmente engenheiros florestais e agrônomos, nas ações de recuperação ambiental, esclarecendo sobre questões e universalizando diretrizes da criação de projetos que respeitem as regras do Cadastro Ambiental Rural (CAR) do Ministério do Meio Ambiente. “Buscamos, com a realização do seminário, agregar novos conhecimentos aos profissionais que estão intimamente ligados com as questões ambientais, os orientando no sentido da realização de procedimentos de recuperação ambiental e criação de projetos dentro de regras que respeitem a ecologia”, destacou João Paulo Sarmento.

O Crea-Minas Júnior Núcleo João Monlevade realizará, entre os dias 17 e 21 de setembro de 2018, o VIII Simpósio de Ciência e Tecnologia, com o tema “Engenharia, Inovação e Sociedade: Inteligência Emocional na formação de profissionais de sucesso”. O evento traz novidades para reforçar a importância da conexão entre engenharia e sociedade. O objetivo é promover, por meio da interação entre o público e os palestrantes, o networking e a disseminação de informações relevantes para a formação dos futuros profissionais do Sistema Confea/Crea.

O Simpósio oferecerá minicursos nos períodos matutino e vespertino em todos os dias do evento, além de duas noites de palestras com renomados profissionais, nos dias 19 e 20 de setembro. As palestras abordarão temas como produtividade, autoconhecimento, indústria 4.0, economia e inteligência emocional. "O apoio de comerciantes e empresas locais foi fundamental para a estruturação e concretização do evento, e muitos benefícios serão oferecidos aos participantes por meio das parcerias firmadas, como bolsas de estudo, brindes e prêmios", conta a presidente do Crea-Minas Júnior, Thainá Prando Basto.

Para inovar cada vez mais e aproximar a sociedade monlevadense da comunidade acadêmica, o Crea-Minas Júnior Núcleo João Monlevade irá promover, na sequência, a I Feira de Ciência e Tecnologia. No dia 22 de setembro, alunos dos ensinos médio e superior vão apresentar projetos das áreas de Ciência e Tecnologia selecionados para compor a Feira. O evento será realizado no Colégio CESP, antiga ACM, e contará com atrações musicais e premiações para os melhores projetos.

Confira mais informações.

crea jr

 

 

No dia 20 de setembro de 2018, os técnicos industriais de nível médio deixam o Sistema Confea/Crea. A partir desta data, eles serão regidos pelo Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT),  criado em março pela Lei 13.639, constituído oficialmente em 22 de junho de 2018 quando da realização de eleição e posse de sua diretoria. 

Os técnicos industriais de nível médio são aqueles do grupo das engenharias – mecânica e metalurgia, química, elétrica, civil, agrimensura e geologia e minas. Os técnicos em segurança do trabalho pertencem ao grupo especial e continuam a fazer parte do Sistema Confea/Crea (Confira as outras exceções). Veja a relação completa no site do CFT.

Registro e acervo

Com base no prazo de 90 dias previsto na Lei, a partir da constituição do CFT, no dia 20 de setembro, se extingue o vínculo jurídico dos técnicos industriais como determinado pelo Confea em nota técnica. Deste modo, estes profissionais estarão vinculados exclusivamente ao novo conselho.

Seguindo a determinação do Confea, após esta data não haverá mais atuação dos Creas no que se refere aos técnicos industriais. Os registros desses profissionais serão migrados para o CFT, bem como  o acervo técnico, processos e outros dados cadastrais.

No caso de empresas que tenham como responsável técnico (RT) um profissional de nível médio, caso queiram manter suas atividades técnicas regulares junto ao Sistema Confea/Crea, devem apresentar RT de nível superior ou dar baixa eu seu registro.

Para saber sobre os novos procedimentos, acesse o site do Conselho Federal dos Técnicos Industriais

Repasses

O Crea-Minas depositou, no dia 11 de setembro, numa conta poupança criada para esse fim, R$ 1.937.278,13,  para o Conselho Federal dos Técnicos Industriais, referente ao período de janeiro a julho de 2018. No dia 20 deste mês, o valor será transferido para a conta indicada pelo CFT. Numa segunda etapa, será feito o repasse do valor referente ao período de agosto ao dia 20 de setembro.

Para o próximo ano, o Crea-Minas calcula que a redução de receita provenientes de Anuidades e A.R.Ts referente à saída dos Técnicos Industriais e Agrícolas será de R$ 10.245.000,00. 

Técnicos agrícolas

Ainda sem data prevista, os técnicos agrícolas de nível médio, que são do grupo da Agronomia também deixarão o Sistema Confea/Crea. Enquanto isto não ocorrer, estes profissionais permanecerão vinculados ao Sistema Confea/Crea. Instituído pela mesma Lei, o Conselho dos Técnicos Agrícolas ainda está em processo de eleição para diretoria para então instalar seu Conselho Federal. 

Inicialmente, o Projeto de Lei propunha a criação de um Conselho formado pelos técnicos de nível médio industriais e agrícolas. No entanto, o projeto aprovado na Câmara dos Deputados foi alterado no Senado Federal, sendo criados dois conselhos, um para os técnicos industriais e outro para os agrícolas. 

Quais os técnicos de nível médio permanecem no Sistema Confea/Crea

  • Os técnicos de nível médio que compões o Grupo Agronomia até que seja constituído o Conselho dos Técnicos Agrícolas
  • Os técnicos de nível médio que pertencem ao Grupo Especial – técnicos em segurança do trabalho
  • Os técnicos de nível médio em segurança do trabalho que possuem mais de uma titulação e nível técnico *
  • Técnicos de nível médio que também possuem título de nível superior *
  • Técnicos de nível médio com título na área industrial e agrícola, simultaneamente *

* estas exceções podem ser revista pelo Crea, caso o profissional manifeste expressamente, por escrito, o interesse de que seu acervo profissional como técnico industrial seja enviado ao CFT

Outros links úteis:

Para buscar o apoio do Crea-Minas na realização da 24ª edição do Congresso Brasileiro de Engenheiros Civis (Cbenc), o presidente nacional da Associação Brasileira de Engenheiros Civis (Abenc), engenheiro civil Francisco Ladaga e o presidente da Abenc-MG, engenheiro civil Romário Aurélio, participaram de uma reunião com o presidente do Crea-Minas, engenheiro civil Lucio Borges, no dia 03 de setembro de 2018. Na ocasião, eles discutiram a atual situação do mercado de trabalho da engenharia civil no Brasil e a importância do evento, que ocorrerá entre os dias 9 e 11 de outubro na capital mineira. 

 O Congresso é considerado o maior evento de engenharia civil do país. De acordo com Francisco Ladaga, o Cbenc já é tradicional na área e a expectativa é de que cresça a cada ano a participação dos profissionais de todo o país. “Procuramos reunir grandes lideranças da engenharia civil, como os presidentes dos Creas, presidentes dos Departamentos Regionais da Abenc, Coordenadorias de Câmaras Especializadas de Engenharia Civil do Sistema Confea/Crea, representantes dos sindicatos de construção civil”, explica o presidente da Abenc.

 Engenharia Civil em Movimento foi o tema escolhido para esta edição do Congresso, que procura abranger segmentos da engenharia civil, como transporte, infraestrutura, saneamento e construção civil. Além de palestras, haverá também minicursos que abordarão os temas: Segurança contra Incêndios; Novo Sistema Construtivo a ser normatizado no Brasil “Wood Frame”; Tecnologia Nuclear e sua Interface na Engenharia Civil; Ensaios não destrutivos aplicados à Engenharia Civil; Utilização do software Navisworks em obra; Ferrovias - Projeto, Construção e Manutenção e Responsabilidade e atuação do engenheiro civil na aplicação da Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais.

 É a segunda vez que Belo Horizonte sedia o Cbenc. A primeira ocorreu em 2009. O presidente da Abenc de Minas Gerais destaca que a capital possui estrutura suficiente para receber o evento. “Nosso estado é rico em recursos naturais e temos profissionais qualificados que contribuem para desenvolvimento da engenharia”, enfatiza.

 A expectativa da organização é de que participem do Congresso cerca de 900 profissionais durante os três dias de programação. A 25ª edição do evento será realizada em Aracaju, capital do Estado de Sergipe.

 

Confira as fotos